8 de março: Dia Internacional da Mulher

Anualmente, no dia que se comemora o “Dia Internacional da Mulher”, o sexo feminino é lembrado pela fragilidade, delicadeza e situações ligadas à maternidade e a vida doméstica. Mulheres são presenteadas no trabalho e nas ruas com flores, bom-bom e lindas cartas cor-de-rosa. Na TV, no rádio e na internet, o dia 8 de março serve para o comércio oferecer descontos em utensílios para a casa, para o cabelo e para um corpo mais bonito.

O Dia Internacional da Mulher não foi criado para ser comercializado. É um dia de luta por igualdade. No dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos de Nova York ocuparam a fábrica onde trabalhavam para reivindicar melhores condições de trabalho. A greve teve como objetivo pedir a equiparação do salário com o dos homens (elas recebiam cerca de um terço do salário masculino) e a redução na carga diária de trabalho para dez horas (as mulheres trabalhavam 16 horas diárias nas fábricas), além de mais dignidade no ambiente de trabalho. As manifestantes foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada e matou 130 trabalhadoras queimadas.

A luta pelos direitos da mulher evoluiu desde então. Mas por mais que pareça que cada dia tenha mais conquistas, ainda tem muito chão para a igualdade entre os sexos. Mesmo o Brasil sendo governado por uma mulher, a representatividade do sexo feminino na política é mínima. Na Câmara, apenas 9,9% dos deputados são mulheres. No Senado, o cenário é um pouco melhor, com 13,6% de representantes do sexo feminino.

No campo de trabalho, a diferença entre os salários de homens e mulheres também é grande. Segundo o IBGE, o homem brasileiro ganha em média R$ 1.522 por mês, enquanto a mulher recebe R$ 1.123. Um estudo feito pela Fundação Getúlio Vargas, revela que por mais que as mulheres estudem, a dificuldade de avançar na carreira é enorme, simplesmente pelo fato de serem mulheres.

Em casa também não fica diferente. Além das mulheres fazerem as atividades domésticas praticamente sozinhas, o índice de violência contra o sexo feminino ainda é muito grande. Em 2015, a cada sete minutos era feita uma denúncia de violência contra a mulher. Dessas, quase 60% eram negras. Isso sem contar as agressões que não são denunciadas.

O Sinttromar, neste dia, ofereceu às trabalhadoras uma flor por solidariedade a situação das mulheres que representa.

Um parabéns a todas as mulheres! Somos muito gratos(as)!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 2 =